Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Nitricionista

05
Fev14

Tempo para comer

Ana Ni Ribeiro

"Para comer e dormir não se quer pressas". Se não ouvia há muito este ditado popular, convém recordá-lo. Um artigo publicado no Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, defende que ingerir os alimentos muito depressa induz a comer em excesso. A explicação que avançam para que tal aconteça é porque se diminui a libertação de determinado tipo de hormonas intestinais responsáveis pela saciedade, logo a sensação de apetite continua. Já se conhecia o papel das hormonas mas não estava ainda relacionado com o tempo que se demorava a comer.

Sempre que se sentar a comer, mesmo que seja uma refeição ligeira, leve o seu tempo, o seu corpo agradece.

10
Jan14

Mitos do excesso de peso

Ana Ni Ribeiro

Nenhuma dieta funciona comigo

Normalmente, as pessoas referem esta situação porque existe alguma coisa que não está bem em termos fisiológicos do organismo. Além disso, temos tendência para engordar e uma grande dificuldade em emagrecer. No entanto, geralmente, as dietas com redução do valor calórico, sensatas, equilibradas e controladas por um especialista, funcionam se forem seguidas de forma constante.

 

Retenho líquidos

Uma coisa é a quantidade de água que circula pelos tecidos do corpo, outra é o excesso de massa gorda, que á a causa directa do excesso de peso e da obesidade. Uma maior retenção de líquidos, que pode acontecer em situações pontuais, pode traduzir-se num aumento de peso fictício, já que desaparece quando se consegue eliminar a causa.

08
Jul13

Televisão de mão dada com obesidade infantil

Ana Ni Ribeiro

As crianças que passam mais tempo a ver televisão apresentam um maior risco de obesidade e tensão arterial alta, revela um estudo liderado por Cristina Padez, da Universidade de Coimbra.

O estudo, divulgado esta segunda-feira, envolveu 17.424 mil crianças de jardins-de-infância e de escolas de várias regiões do país, com idades entre os três e os 11 anos.

A Universidade de Coimbra explica também que a pesquisa pretendia avaliar a alteração dos valores de obesidade infantil da população portuguesa, de 2002 a 2009, e conhecer a associação entre a obesidade infantil e os comportamentos familiares, hábitos sedentários e o ambiente onde vivem.

A coordenadora do estudo, citada em nota de imprensa da Universidade de Coimbra (UC), explica que a televisão tem o maior impacto no excesso de peso e no aumento da tensão arterial, «pelo facto de as crianças estarem mais expostas a publicidade de produtos alimentares, induzindo-as à ingestão de comida normalmente pouco saudáveis». «Por outro lado, a televisão é mais passiva. O computador e os jogos eletrónicos exigem mais concentração e interação», sublinha.

O estudo, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), determinou a percentagem de crianças que passam mais de duas horas diárias em frente ao televisor, ultrapassando os limites considerados de referência (da Academia Americana de Pediatria): 28% de meninos e 26% de meninas veem mais de duas horas de televisão por dia durante a semana. Mas, ao fim de semana, a percentagem dispara para os 75% nos meninos e 74% nas meninas.

«É urgente corrigir este e outros hábitos errados para que não se perpetuem e tenham implicações sérias na idade adulta. Os hábitos criados na infância tendem a prolongar-se para a vida adulta. Nos adultos encontramos uma forte associação entre o tempo que eles veem televisão e valores de obesidade, hipertensão arterial, diabetes tipo II, entre outros problemas», diz a investigadora.

Cristina Padez diz igualmente que o «simples facto de uma criança ser obesa apresenta três problemas: em 60% dos casos as crianças obesas apresentam já pelo menos um fator de risco que normalmente apenas se associam aos adultos, como hipertensão, colesterol elevado, triglicéridos; cerca de 40% permanece obesa na vida adulta e, mesmo as crianças que normalizam o seu peso com o crescimento, o simples facto de terem sido obesas é um risco para o aparecimento de algumas doenças principalmente cardiovasculares na vida adulta».

«Por isso, os pais devem limitar o tempo de televisão e estimular as brincadeiras ativas», alerta.

Este estudo sociodemográfico da obesidade infantil confirmou ainda a associação entre o grau de instrução dos pais e o peso das crianças: «Quanto menor é o grau de ensino, maior é o valor de obesidade».


Fonte: TVI24

29
Mar13

O stresse causa aumento de peso?

Ana Ni Ribeiro

Depois de um dia stressante só lhe apetece comer bolachas e batatas fritas?  
O stresse pode afectar a dieta e apetite, fazendo com que se coma demais. Como um alimento conforto pode aliviar stresse no momento, se esse comportamento passar a ser hábito pode levar ao ganho de peso excessivo. Além disso, o stresse crónico faz com que os nosso corpo liberte cortisol, uma hormona que é conhecido por aumentar o apetite e incentivar a vontade de comer alimentos açucarados ou gordurosos.

28
Dez12

Mastigue esta ideia

Ana Ni Ribeiro

 

Investigadores holandeses descobriram recentemente que colocar grandes quantidades de comida na boca e mastigar pouco pode ser uma das causas do excesso de peso. Neste estudo, as pessoas que mastigaram pedaços grandes de comida durante 3 segundos consumiram 52% mais alimentos antes de se sentirem saciadas comparativamente com quem mastigou pedaços pequenos durante 9 segundos. A razão: ter comida na boca durante mais tempo faz com que se sinta cheio mais depressa, asseguram os cientistas.
22
Fev10

Trabalho + Preocupações = Peso

Ana Ni Ribeiro
Um trabalho stressante pode fazer com que engorde, afirmam investigadores se Harvard (EUA). O facto é que homens com excesso de peso que têm pouca autoridade no trabalham engordam mais. Não poder tomar decisões é um factor relacionado com o stresse e comer pode produzir um efeito calmante: liberta endorfinas. Mas comer não é o melhor exercício anti-stresse, a prática de actividade física sim. E além disso queimas as suas gordura extra!

Sobre mim


Sou a Ni, sou nutricionista e este é o meu blog. Aqui partilho a minha paixão pelo fabuloso mundo da nutrição. Dizem que este é o melhor blog sobre nutrição do mundo e arredores!

Ver perfil
Seguir perfil

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu livro

Links

Consultas online

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Parceiros