Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Nitricionista

25
Nov17

A minha história

Ana Ni Ribeiro

FullSizeRender (38).jpg

 Há anos que escrevo o blog. Sabem o meu nome, que sou nutricionista e hoje vou contar-vos um pouco mais da minha história.

Tenho peso normal (e “normal” é ter o peso certo),  mas nem sempre foi assim, até à adolescência convivi com excesso de peso e depois de umas dietas malucas tive episódios de peso abaixo do normal. Consegui, a custo e graças a muita força de vontade e conhecimento, sair da montanha russa que é o efeito iô-iô. – e por isso sei muito bem o que sente o leitor, ou o que sentem as pessoas que me consultam, quando se entra no ciclo vicioso do engorda-emagrece-engorda-outra-vez. Sei o que é olhar para o espelho e não gostar do que se vê. Tal como muitos de vocês já tive uma relação complicada com a comida e com a balança. Sei o que se pensa, os sentimentos que nos avassalam, e sei que chega a doer. Sei o que é querer mudar e não conseguir. A frustração e a perda de confiança. Mas também conheço o sabor da vitória quando se consegue. E é esse sabor que quero passar em todas as crónicas, nas consultas, no meu blog ou no meu livro.

Sou nutricionista desde 2008. Muito antes de o ser lutei contra os vários quilos a mais. E a menos. E quero que conheçam a minha história e se lembrem que se eu consegui, também conseguem.

 

FullSizeRender (39) (1).jpg

 Nasci com quase 4 kgs, 3880g para ser mais precisa, e 48 cms. Era uma bebé muito fofa, dizem.

De bebé fofa passei a criança gordinha. Fui para a natação com 3 anos, embora só fosse permitida a inscrição a maiores de 4 anos, porque era grande! Lembro-me de vestir sempre roupa para meninas mais velhas. E de ficar triste com isso, momentaneamente. Depois passava e voltava a comer!

Era saudável, praticava desporto, aos 10 anos, além da natação fazia karaté mas não deixava de ser a mais gorda da turma. Não sentia nenhuma descriminação, nem fui vítima de bulling que agora tanto se fala, mas não me sentia bem com a minha figura.

Com 15 anos, mudei de escola, deixei a natação e cheguei a pesar 70 kgs distribuídos por 1,61 m. Quem teve excesso de peso na adolescência sabe que a autoestima pode ser afetada negativamente.

Por esta altura, decidi começar a experimentar várias dietas, mas assim que passava fome desistia. Alguma confiança perdida depois fui pela primeira vez a uma nutricionista, incentivada pelos meus pais. Pela minha própria experiência percebo que planos alimentares demasiado restritivos e rígidos simplesmente não resultam. Passei várias vezes pela frustração de pensar: eu não consigo, não consigo, não consigo.

No 11º ano, recomecei a fazer desporto, seguia um plano alimentar restritivo e consegui atingir o peso normal. Com 17 anos pesava 54 kg. Após esta fase diminuí mais as doses. Cheguei a almoçar uma maçã ou um iogurte, mentia em relação ao que comia, para tentar esconder os meus comportamentos – que já então pressentia serem errados.

Dos 70 kg passei para os 42 kg. Com 18 anos, foi-me diagnosticado um princípio de anorexia. Não via a imagem distorcida, via-me muito magra como realmente estava, sabia que estava com baixo peso mas gostava de estar assim. Embora soubesse que estava feia e que a minha saúde corria risco, sentia que manter-me com baixo peso me conferia uma espécie de super poder! Não, não conferia. Apenas era prova de que não sabia comer.

Com o apoio dos meus pais e do meu irmão, e de um excelente acompanhamento médico rapidamente superei esta fase. Quando entrei na faculdade para fazer o meu primeiro curso, Biologia Aplicada, pesava cerca de 52 kgs, peso esse que sofreu bastantes oscilações. Ora mais ora menos, entre os 48 e os 62. Fazia dieta, não fazia dieta, dias sim, dias não e dias talvez. E assim brincava com a minha saúde. Por esta altura, percebi que “quando fosse grande” queria ser nutricionista. Era uma área que me fascinava, e a minha luta constante com o peso teve obviamente influência nesta decisão. Ser nutricionista fez-me equilibrar, finalmente, a minha relação com a comida.

 

Quando entrei em Nutrição, na Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP), percebi que é fundamental seguir um plano simples e prático. Consegui manter o peso conquistado com uma dieta fácil de cumprir, com os alimentos de sempre e sem passar fome. Só consegui verdadeiramente perder peso e mantê-lo quando reaprendi a comer, quando me senti motivada e tive os conselhos certos.

Ao longo das últimas décadas têm sido acumulados erros em matéria de quantidade e de qualidade na ingestão de alimentos. A prevalência da obesidade tem aumentado assustadoramente, e com esse aumento surge o aumento da morbilidade (ou seja, doenças relacionadas) e mortalidade. Todos sabemos que o excesso de peso e a obesidade acarretam riscos graves para a saúde, aumentando o risco de doenças cardiovasculares, alguns tipos de cancro e diabetes. Mas quantas vezes já desistiu de cuidar de si? Eu desisti algumas, mas fui a tempo de mudar. Quando a nossa saúde e felicidade está em jogo nunca é demasiado tarde. A altura certa é quando procura ajuda, tenha 10, 20 ou 50 anos. Tenha 4, 13 ou 30 kg a mais. Ou a menos.

 

Concentre-se em si. Por vezes estamos tão focados nos outros, em ajudar os outros, sempre os outros que quase nos esquecemos do que precisamos e do que nos faz feliz. Você é a sua prioridade, você merece o seu tempo e dedicação. Mas não basta querer, é preciso fazer acontecer. E por vezes precisamos de procurar ajuda.

Hoje uso a minha dieta, que funciona comigo e com a grande maioria dos meus pacientes. Manter o peso, ganhar auto estima, confiança e saúde sem alimentar altos níveis de ansiedade faz parte dos meus dias.

Vamos equipa!

 

15
Nov17

Papas de aveia com linhaça

Ana Ni Ribeiro

IMG_0148.jpg

 

Deixo-vos a receita das papas de aveia que fiz hoje para o pequeno-almoço. Espero que gostem.

 

Para 1 dose

40g de flcoos de aveia integrais

1 colher de sopa rasa de linhaça moída

200 ml de leite magro sem lactose (podem usar bebidas vegetais)

1 pau de canela

1 colher de sopa de sementes de girassol

canela em pó

stevia (opcional)

 

Leve num tacho ao lume a aveia, o leite, a linhaça, o pau de canela e metade da quantidade das sementes de girassol. Se quiser junte também um pouco de stevia. Deixe cozer, mexendo sempre, cerca de 3-4 minutos.

Coloque na taça onde vai servir, retire o pau de canela, polvilhe com canela em pó e as sementes restante.

Bom apetite

 

 

13
Nov17

Stress profissional, quem não tem?

Ana Ni Ribeiro

IMG_7075 (1).jpg

 Há semanas que, entre viagens, consultas, filmagens, elaboração de receitas e prazos muito apertados, os níveis de stress e fadiga psicológica aumentam. Olho à minha volta e vejo imensas pessoas sujeitas a estas mesmas situações. Apesar do stress ser natural, dentro de certos limites, é possível proteger o nosso corpo dos seus efeitos negativos. Dentro da gama de regeneradores celulares Ever-Fit, o Ever-Fit Stress Regen é específico para estas situações.

IMG_6674 (1).JPG

 

O Ever-Fit Stress Regen é formulado com o complexo ACE-PRO VIT e antioxidantes como  vitaminas C e E. Como já referi várias vezes, os radicais livres são responsáveis por dados nas células sujeitas a stress oxidativo, pelo que o seu combate ajuda a prevenir vários problemas. Além disso, contém também ácido pantoténico que contribui para um desempenho mental normal. Na sua composição encontramos riboflavina, niacina, vitamina B6 e vitamina C que contribuem para a redução do cansaço e fadiga.

 

portfolio-stress-regen-04-left.png

 

Com Ever-Fit, cuide hoje a pensar no amanhã!

IMG_7070 (1).JPG

 

O Ever-Fit Stress Regen é um SUPLEMENTO ALIMENTAR e deve ser usado como complemento a uma alimentação completa, variada e equilibrada e não como substituto de um regime alimentar saudável. O exercício físico também deve ser prática regular pois ajuda, ao libertar endorfinas, a baixar os níveis de fadiga psicológica.

 

06
Nov17

6 hábitos contra a queda do cabelo

Ana Ni Ribeiro

cabelo.jpg

  

O cabelo cai por vários motivos: stresse, envelhecimento, falta de nutrientes, desequilíbrio hormonal e até por falta de cuidado. Mas há alguns hábitos que podem reverter a situação.

 

  1. Massajar o couro cabeludo

A massagem terapêutica, se for feita com regularidade, pode facilmente ser um antídoto para a queda de cabelo, já que promove aumento do fluxo sanguíneo. Isso estimula a oxigenação e distribui os nutrientes no folículo capilar, mantendo-o ativo e saudável.

 

  1. Pentear os cabelos da forma correta

Desembaraçar o cabelo ainda no banho, de forma delicada, com ajuda do condicionador ou da máscara, é a melhor forma de evitar a temível queda por tração. E não se deve usar qualquer tipo de escova ou pente. Devemos opte pela menos agressiva, preferencialmente com cerdas macias e naturais ou acessórios de madeira com dentes largos.

 

  1. Suplementar corretamente

Proteína é a principal matéria-prima do cabelo. Quando o nutriente não é ingerido na quantidade correta — 0,8 gramas por quilo de peso corporal —, os cabelos enfraquecem. Tal pode acontecer com quem é vegan ou faz dietas muito restritivas. Nesse caso, a suplementação é obrigatória. O trio biotina, cistina e cisteína pode prevenir este problema, mas antes de ir às compras, consulte o seu nutricionista ou dermatologista.

 

  1. Manter o corpo são e a mente sã

Há fortes indícios de que o stresse seja uma possível causa de queda acentuada. Portanto, noites bem dormidas, exercícios regulares e meditação algumas das formas de manter o bom nível hormonal, essencial para qualquer função do organismo. Estas atividades promovem a produção equilibrada de hormonal, o que faz com que o folículo capilar se mantenha ativo por mais tempo. Há ainda menos produção de radicais livres, ou seja, garantia de menor envelhecimento capilar.

 

  1. Reeducar seus hábitos alimentares

Comer bem é regra número 1. Os nutrientes essenciais para o crescimento e desenvolvimento dos cabelos, são:

  • vitamina A, presente no atum, no leite e na gema de ovo, que auxilia na produção de colágeno e protege o cabelo dos danos capilares oxidativos;
  • a vitamina C do kiwi, laranja e brócolos, que atua como excelente antioxidante combatendo os radicais livres;
  • as vitaminas do complexo B (cereais integrais, oleaginosas e banana), que agem como antioxidante e contribuem para a formação e crescimento de células novas;
  • zinco (frutos do mar e carnes vermelhas);
  • fontes de biotina: frango, gema de ovo, soja, amendoim e levedura de cerveja.

 

  1. Apostar em chás e infusões

Abra mão do café e invista mais em chás! Especialmente o verde e o de urtiga, que contém ingredientes que inibem a conversão de testosterona em dihidrotestosterona (DHT), um composto ligado à calvície.

Sobre mim


Sou a Ni, sou nutricionista e este é o meu blog. Aqui partilho a minha paixão pelo fabuloso mundo da nutrição. Dizem que este é o melhor blog sobre nutrição do mundo e arredores!

Ver perfil
Seguir perfil

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu livro

Links

Consultas online

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Parceiros