Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Nitricionista

09
Dez13

Vida sem glúten

Ana Ni Ribeiro

A doença celíaca, é uma doença auto-imune  que se traduz numa intolerância alimentar crónica ao glúten, presente no trigo, centeio, cevada e aveia. Estima-se que uma em três pessoas da população portuguesa sofra de doença celíaca. Esta doença surge normalmente entre os 6 e os 20 meses, após a introdução de alimentos com glúten, como papas, pão e bolachas, na alimentação. A ingestão de alimentos com glúten leva a que o corpo desenvolva uma reação imunológica contra o próprio intestino delgado. A longo prazo, o não cumprimento da dieta isenta de glúten favorece o aparecimento de cancro do tubo digestivo. Certos estudos indicam que há também uma forte associação entre o não cumprimento da dieta e o surgimento de osteoporose, infertilidade, malnutrição, depressão e linfomas intestinais. Em condições normais, se o celíaco cumprir a dieta de forma rigorosa, o tratamento da patologia não implica a toma de nenhum medicamento.

Em período de crise, como este em que vivemos, torna-se mais difícil cumprir um regime isento de glúten. Este é o único tratamento disponível para estes doentes, mas a falta de comparticipação do estado impede que muitos doentes possam comprar produtos sem glúten, que, geralmente, são mais caros. Como alternativa, é aconselhável confeccionar os próprios produtos em glúten, em casa, para que possa optar por receitas a ser gosto, mais saudáveis e económicas.

Os alimentos proibidos e que devem ser excluídos da dieta são todos aqueles que na sua composição tenham trigo, centeio, cevada e aveia. Nesta lista incluímos pão, bolos, bolachas, massas, iogurtes com cereais, alheira e farinheira, sopas de pacote, cerveja, panados, delícias do mar e ingredientes como o amido dos cereais proibidos, amido, amido modificado, proteína vegetal, fibras alimentares, E-14xx e E-5xx, malte e xarope de malte, extrato de malte, levedura e cereais. Também é necessário ter em atenção os alimentos que, disfarçadamente podem conter glúten na sua confeção, como: charcutaria, pré-cozinhados, molhos e temperos industriais, sobremesas instantâneas, gelados, chocolates, fruta em calda e cristalizada, gelatinas, produtos de soja, natas, manteigas e margarinas. Para que a dieta seja cumprida, deve ler adequadamente os rótulos.

A eliminação do glúten da alimentação permite que o intestino regenere da lesão e o organismo recupere. Mas se houver reintrodução, as inflamações regressam e os sintomas reaparecem, como por exemplo: vómitos, diarreia crónica/ prisão de ventre, alterações de humor, anemia, cansaço.

2 comentários

Comentar post

Sobre mim


Sou a Ni, sou nutricionista e este é o meu blog. Aqui partilho a minha paixão pelo fabuloso mundo da nutrição. Dizem que este é o melhor blog sobre nutrição do mundo e arredores!

Ver perfil
Seguir perfil

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O meu livro

Links

Consultas online

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Parceiros